PANTANAL POÉTICA

Pantanal Poética - Músicos, pesquisadores e ativistas embarcam em viagem de inspiração pelo Rio Paraguai

"Navegantes” participaram de atividades de apresentação, conheceram a metodologia que será utilizada durante a viagem e conheceram mais sobre o Pantanal em uma vizita ao Museu Homem Pantaneiro.

 

Começou nesta terça (13/10) o Pantanal Poética, evento que une artes, conhecimento e ativismo, em Corumbá MS. Cerca de trinta participantes – músicos pesquisadores e ativistas sócio-ambientais – farão um trajeto de barco por vários locais do rio Paraguai. O objetivo do evento é que as paisagens diversas do Pantanal e atividades criativas proporcionem aos participantes, um ambiente co-gerador que  traduzirá em novos produtos, enfoques e ações.

 

Todos que embarcaram, apesar de trabalharem em diferentes atividades , tem em comum o amor e engajamento pelo Pantanal. Para Icléia Albuquerque, coordenadora do evento e Docente da UFMS, essa união irá beneficiar toda a região. “A intenção é sensibilizar toda a população pelo diálogo intenso que teremos dentro da embarcação, pois teremos poucos dias, mas teremos discussões intensas sobre o Pantanal, no rio Paraguai”.

 

A jornada começou com a chegada dos participantes em Corumbá na tarde de terça-feira (13/10). Além de pesquisadores, ativistas e músicos brasileiros, também participam representantes da Bolívia, Paraguai, Uruguai e Holanda.

 

Início da Jornada

 

Ao chegarem, os “navegantes” participaram de atividades de apresentação, conheceram a metodologia que será utilizada durante a viagem e conheceram mais sobre o Pantanal em uma vizita ao Museu Homem Pantaneiro.

 

Ao final da tarde, os participantes embarcaram nos navios que os levarão à jornada de três dias pelo rio Paraguai, o navio Kasatu Maru e o NTrlu “Almirante Leverger”, do Comando do 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil.

 

Já embarcados os participantes do Pantanal Poética participaram do lançamento do livro “GAEA – Genero, Água e Educação Ambiental”. O livro é a compilação dos trabalhos realizados pelo projeto “Formação de Multiplicadores para Incorporação de Gênero no Gerenciamento de Recursos Hídricos e Educação Ambiental”, realizado pela ONG Mupan – Mulheres em Ação no Pantanal, a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e o Programa Aliança Ecossistema (Both ENDS, IUCN NL e WI). Clique aqui e saiba mais sobre a Formação GAEA.

 

A jornada do Pantanal Poética segue pelo Rio Paraguai. Nesta quarta (14/10)a programação prevê navegação até a Serra do Amolar. Embarcados, nossos navegantes continuam debates sócios ambientais e muita inspiração. Confira aqui a programação do Pantanal Poética.

 

O Pantanal Poética é promovido pela ONG Mupan – Mulheres em Ação no Pantanal, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Green Beat e o Programa Aliança Ecossistema (Both ENDS, IUCN NL e WI). E conta com o apoio de parceria da Instituto Homem Pantaneiro, Instituto Moinho Cultural, Instituto Acaia Pantanal, Campus do Pantanal da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CPAN/UFMS), Sesc Corumbá, Bulixo Cultural, Fundação de Cultura de Corumbá e Comando do 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil.

 

Veja como foi o 1º dia do Pantanal Poética em nossa Galeria de Imagens

CARTA DO AMOLAR

Carta do Amolar – Integrantes do Pantanal Poética clamam por um “Pantanal inteiro, não pela metade”

O pedido "significa a manutenção de seus ciclos de água, dos sedimentos, dos peixes, das plantas e animais, pois o direito humano é o direito da natureza" 

 

Durante quatro dias (de 13 a 16 de outubro), pesquisadores ativistas e músicos do Brasil, Paraguai, Bolívia, Argentina e Holanda seguiram em uma jornada de ação, conhecimento e música pelo Rio Paraguai. Pelo percurso, belas paisagens, atividades, ações socioambientais e muita inspiração.

 

Ali, apesar de todas as diferenças, todos aprenderam, compartilharam e se inspiraram. Muitos resultados saíram e ainda sairão desta jornada. Mas o motivo maior que os une continua ali, esplendoroso, cativante, enigmático e... em risco.

 

Confira logo abaixo a Carta do Amolar, um apelo redigido pelos participantes do Pantanal Poética para que o Pantanal continue a ser o ambiente que nos une, encanta e inspira...

 

Carta do Amolar

 

Nós, pesquisadores, ativistas, representantes de populações pantaneiras e artistas do Brasil, Paraguai, Bolívia, Argentina e Holanda, integrantes da Expedição Pantanal Poética (13-16/10/2015), juntamos nossas vozes ao clamor da natureza pedindo por um “Pantanal por Inteiro, Não pela Metade” que significa a manutenção de seus ciclos de água, dos sedimentos, dos peixes, das plantas e animais, pois o direito humano é o direito da natureza.  

 

Hoje, o nosso planeta está ameaçado. Nos últimos tempos se usou em demasia os bens comuns da natureza - mais do nunca - não se respeitou os limites e por isso, estamos sofrendo os impactos de tanta ganancia. No mundo globalizado é a privatização do lucro e a socialização da pobreza, que impera.

 

O Pantanal, nosso tesouro azul, matriz do verde e da diversidade de vida, precisa do fluxo de suas águas, sem venenos... puras... oferecendo-nos paisagens, animais, peixes, trabalho e qualidade de vida para seus povos. Deixe-os livres!!!!!!

 

Esta geração e as outras que estão por vir tem o direito de desfrutar o mundo. Temos o compromisso ético de cuidar bem do nosso Pantanal.

 

E assim...

 

navegando seguinte a corrente...

JORNADA DE MÚSICA

Jornada de música, conhecimento e ação pelo Pantanal gera material para CD e DVD

Expedição gera repertório de 10 canções e material para produção de material audiovisual.

 

Passar 04 dias dentro de um barco, admirando e conhecendo o Pantanal, inspirou os integrantes da expedição Pantanal Poética. Cerca de 10 músicas foram compostas e trabalhadas durante a expedição além dos trabalhos de equipe de filmagem que irá transformar a aventura em documentário e vídeos clipes.

 

O evento aconteceu entre os dias 13 a 16 de outubro, quando 36 pessoas, entre artistas, pesquisadores e ativistas, embarcaram no Navio Almirante Leverger, do Comando do 6º Distrito Naval, partiram de Corumbá e seguiram até a Serra do Amolar, pelo rio Paraguai. 

No navio, os participantes receberam palestras de pesquisadores e ativistas que atuam no Pantanal, que explicaram o ciclo de vazão das águas, a importância de se apurar as ações /obras no planalto – que atingem diretamente a planície pantaneira, além de outras problemáticas que põem risco o Pantanal.

 

“Foi uma experiência incrível, trabalhar com músicos incríveis, além de conhecer o Pantanal e todo o ecossistema. Saber o que acontece no planalto, na planície, esse tipo de informação que os biólogos e os ecólogos compartilharam com a gente foi fantástico! E juntar ciência e música, não poderia ser melhor”, conta o professor da UFMS, doutor em música Luis Felipe de Oliveira.

 

Em terra, todos puderam conhecer ações socioambientais que ocorrem ao longo do rio como o funcionamento de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), tendo como exemplo a RPPN Elieser Batista, na serra do Amolar. Conheceram também particularidades uma escola pantaneira com a escola Jatobazinho, integrante do projeto Acaia Pantanal do Instituto Acaia.

 

Todos participaram de oficinas e atividades conjuntas que proporcionaram o clima de amizade e cooperação entre todos. “Tivemos essa integração de artistas, músicos e cientistas que foi maravilhoso! Aprendemos muito! Tivemos várias experiências no barco... Essa integração entre países também foi muito importante... A gente quer defender o Pantanal. O Pantanal por inteiro e não pela metade”, disse a cantora e multi instrumentista sul-mato-grossense Ju Souc.

 

Escola Jatobazinho recebe Pantanal poética com Música e poesia

 

Para os integrantes músicos, do Pantanal Poética, visitar a escola Jatobazinho foi um dos pontos altos da expedição. Ao chegarem à fazenda sede foram recebidos com muita música e cartazes com poesias do Poeta Pantaneiro Manoel de Barros.

 

Autor do CD e musical Crianceiras- baseado nas obras de Manoel de Barros, o músico e produtor Márcio de Camillo recebeu atenção especial das crianças. Todas sabiam de cor as músicas do álbum e esperaram ansiosas por uma palhinha do artista. Ao fim da visita todos foram agraciados com a cantoria dos integrantes da expedição.

 

Para o cantor a experiência foi única. “Sou um sonhador e navegante desse projeto maravilhoso que é o Pantanal Poética, estou muito feliz de ter participado desse projeto. Conversando com os especialistas em ecologia e na defesa do nosso ecossistema . Acho que a gente tem que defender o Pantanal e através da música , através da palavra e juntando música com palavra a gente cria uma asa e leva esse grito para a proteção desse lugar que é um santuário chamado Pantanal”.

 

De volta á Corumbá os integrantes apresentaram já alguns resultados da expedição no Bulixo Cultural (16/10) .  O ativista paraguaio Oscar Rivas leu a Carta ao Amolar, um clamor em defesa ao Pantanal que representa a ideologia da experiência Pantanal Poética, e na sequência os músicos apresentaram o repertório de 10 músicas, a maioria composta no barco, durante a expedição.

 

Já no dia seguinte o Moinho Cultural cedeu a sala Almir Sater para a gravação das músicas. O repertório da Expedição Pantanal Poética será reunido em CD e também a produção de um DVD com documentário e vídeos clipes com imagens captadas pelos documentaristas e produtores culturais Naor Elimelech, Igor Avancini Sciallis e Sandro (Alexander) Kakabadze, que registraram toda a incursão de arte, conhecimento e ação pelo Pantanal.