A EXPEDIÇÃO

O rio Paraguai foi o palco da Expedição Pantanal Poética 2015. Foram percorridos 450 quilômetros de rio a bordo do navio Almirante Leverger, cedido pela Marinha do Brasil.

 

Os quatro dias de convivência no barco criaram uma atmosfera de inspiração e produção benéfica para todos. Cientistas e ativistas demonstraram seus trabalhos, apresentaram todas as problemáticas que faz com que o Pantanal seja um bioma tão frágil e ameaçado e sensibilizaram, ao mesmo tempo em que o clima receptivo e descontraído dos artistas proporcionou aos estudiosos energia e entusiasmo para continuar com suas atividades, uma vez que lidam com temáticas pesadas relativas à conservação e preservação do Pantanal e comunidades ribeirinhas. (clique aqui e confira a programação, mapa, locais e projetos visitados pelo Pantanal Poética).

O projeto Pantanal Poética não só propiciou o diálogo e aprendizagem entre os participantes, mas também envolveu a sociedade como um todo, com apresentações musicais e atividades abertas ao público. Foi realizada uma oficina de integração com a Escola Jatobazinho[R1] , envolvendo outros artistas da cidade de Corumbá, tendo como público alvo e co-autores, os alunos da escola, em sua maioria, de famílias ribeirinhas.

 

No regresso, em 16 de outubro de 2015, uma amostra dos resultados do Pantanal Poética foi realizada dentro do  evento Bulixo Cultural[R2] , promovido pelo Sesc Corumbá. Nessa ocasião os músicos da expedição realizaram o show de apresentação das canções criadas durante a navegação. Também foram apresentadas a “Carta do Amolar[R3] ” e o Painel Coletivo. A sensibilização e desejo de atuação conjunta fica refletida nas expressões  dos integrantes da expedição, que assumem o compromisso de zelar pelo  Pantanal (clique aqui e confira as “dádivas” produzidas durante a navegação).